Skip to content

Submarinos: DCIAP lançou caça ao contrato

30/09/2009

O “Tridente” e o “Arpão” são os maiores submarinos construídos até hoje na Alemanha.

O “Tridente” e o “Arpão” são os maiores submarinos construídos até hoje na Alemanha.

DCIAP esperou o final das eleições para avançar com buscas

No chamado “caso dos submarinos”, o Departamento Central de Investigação e Acção Penal (DCIAP) esperou o final das eleições legislativas para avançar com buscas em três dos quatro escritórios de advogados que representaram as partes intervenientes na aquisição dos dois submarinos da classe 209PN.
De acordo com um dos investigadores, as diligências do DCIAP “chegaram a estar marcadas para uma data anterior” mas por causa das eleições só agora tiveram lugar. A “delicadeza política” não foi confirmada pelo DCIAP que se recusou a qualquer comentário.
No negócio, realizado quando o líder do CDS-PP, Paulo Portas, era Ministro da Defesa, estão em causa suspeitas de corrupção, tráfico de influências e financiamento ilegal de partidos políticos: “especificamente do CDS-PP”, como disse a mesma fonte, próxima da investigação.
Ontem, a operação do Ministério Público foi desencadeada em simultâneo nos escritórios sede da “Vieira de Almeida & Associados” e na “Sérvulo & Associados”- este último terá sido o gabinete que representou o Ministério da Defesa no negócio com o consórcio alemão, “Germain Submarine Consortium (GSC)”.
“Estamos a disponibilizar todos os documentos e esclarecimentos necessários,” disse Rita Proença Varão da “Vieira de Almeida & Associados” ao 24horas, recusando-se no entanto a identificar os clientes que a empresa terá representado naquele negócio: “acima de tudo vamos salvaguardar os nossos clientes”.
Naquele gabinete, anteriormente visitado no âmbito do caso Freeport, estavam ontem uma dezena de inspectores acompanhados pelo Juiz Carlos Alexandre e por um representante da Ordem dos Advogados.
Entre outros documentos, o MP procurava o contrato de financiamento associado à aquisição dos submarinos mas o porta-voz de um dos escritórios ontem visitados pelo DCIAP confirmou ao 24horas que “o documento não foi encontrado”, sublinhando que “se o próprio Ministério da Defesa não o tem, porque razão deveríamos nós ter uma cópia.”
Apesar de todas as buscas já realizados neste inquérito, os investigadores do DCIAP têm sido incapazes de meter a mão no contrato de financiamento associado à aquisição dos submarinos, e nem na Comissão de Contrapartidas existe um exemplar.
Para além daqueles dois escritórios de advogados, o DCIAP procedeu igualmente a buscas nos escritórios de uma empresa espanhola de advogados, a Uria & Menendez.
Fonte da Uría & Menéndez confirmou ao 24horas as diligências do DCIAP nos seus escritórios mas negou todo o envolvimento da empresa no caso dos submarinos, avançando como “eventual explicação” para as buscas do DCIAP o facto do advogado Bernardo Diniz Ayala, ex-sócio da Sérvulo & Associados – o gabinete que terá representado o Ministério da Defesa na aquisição dos submarinos – estar agora na Uría & Menéndez.

Duarte Levy também no 24horas

Submarinos de Paulo Portas chegam no Outono

Os comentários estão fechados.

%d bloggers like this: