Saltar para o conteúdo

McCann recordam os últimos momentos com Maddie

29/04/2010

Os McCann nas "Mañanas" da Cuatro com Concha Pilar.

“Tinha-se aninhado contra mim. Então, tirou-me o anel de noivado… Costumava fazer isso muitas vezes e punha-o… Punha-o enquanto liamos uma história. É maravilhosa, é o que posso dizer. “

É assim que Kate McCann, na entrevista que deu ao programa “Las Mañanas de la Cuatro” no canal espanhol “Cuatro” recorda os últimos momentos que passou com a filha na Praia da Luz, no Algarve, antes de esta desaparecer.
A entrevista foi gravada durante o passado fim-de-semana na casa do casal em Rothley, onde os pais de Maddie receberam Concha García Campoy, a apresentadora do programa.
“Na minha mente está muito claro que foi um homem que levou Madeleine e temos que encontrá-lo para sabermos onde está a minha filha. Que a polícia não procure esse homem, mas suspeite de mim e de Gerry… Isso magoa,” lamenta-se a mãe de Maddie.
Kate e Gerry McCann contam a sua versão, pormenor a pormenor do que aconteceu naquela noite. Negam categoricamente que tivessem dado medicamentos aos filhos, (“Foi uma vergonha isso ter sido publicado. Não tem qualquer fundamento. É mentira “), embora admitam que cometeram o erro ao deixá-los sozinhos para irem jantar com um grupo de amigos.
“A culpa nunca nos abandonará, cometemos um erro e repetimo-lo várias noites seguidas… Nunca pensamos que os nossos filhos estivessem em perigo,” afirma o casal à “Cuatro”.
Garantem que a Sean e a Amelie, irmãos de Madeleine, nunca lhes esconderam o que se passou.
“Um psicólogo disse-nos para respondermos com honestidade a todas suas perguntas… explicamos-lhes o rapto, dizendo que, se queremos alguma coisa que não nos pertence, que é de outros, nunca se deve tirar. E eles perceberam. Como se fosse um roubo.”
Do encontro com a equipa da televisão espanhola resultou uma longa entrevista que vai apresentada em três sequências, a começar na próxima Segunda-feira.
Kate e Gerry, na entrevista a Concha Pilar a que o 24 Horas teve acesso, Falam das dúvidas que ainda hoje têm sobre o caso e da sua difícil relação com Gonçalo Amaral, o Polícia Português, que foi o Coordenador da investigação e que sempre os considerou como suspeitos.
Segundo um responsável do canal, em estúdio vão estar diversos polícias, peritos e jornalistas que estiveram ligados ao caso.

Maddie: polícias viajaram 196 vezes… mas sempre em low cost

26/04/2010

No caso Maddie, entre Maio de 2007 e Julho de 2008, a polícia inglesa gastou cerca de 25.325 euros (£ 22.000) em viagens de avião para Portugal, onde os seus agentes ficaram 709 dias para participar no inquérito e apoiar Kate e Gerry McCann.
A polícia inglesa justifica que os agentes utilizaram sempre voos low cost – com 25.325 euros gastos em 196 voos, cada viagem terá custado a média de 129,20 euros.
A informação – alegadamente séria – é hoje revelada pelo “The Mirror”.
Apesar de múltiplas recusas em revelar dados específicos do trabalho das autoridades britânicas no caso Maddie – alegando sempre o segredo e a segurança de estado – esta é a segunda vez que são revelados detalhes dos custos engendrados, para o contribuinte, pelo desaparecimento da criança.
Segundo uma informação do Ministério do Interior, as autoridades inglesas gastaram mais de meio milhão de euros no caso Maddie.

Maddie com 7 anos

25/04/2010

No "Daily Express Weekend"

Os tablóides ingleses “Daily Star Weekend” e “Daily Express Weekend” voltam a inventar o estilo “Barbie” para mais uma imagem de Maddie McCann, alegadamente com sete anos, alegadamente em vida. Para ler em “Hasta que se sepa la Verdad”, em espanhol.

Austrália e Indonésia planeraram invasão de Timor Leste em 1963

08/04/2010

Xanana Gusmão e Ramos Horta

Num discurso proferido ontem em Díli, o primeiro-ministro timorense Xanana Gusmão acusou a Austrália de ter secretamente planeado a invasão de Timor Leste pela Indonésia em 1963, quando o território ainda era português.
Segundo Xanana Gusmão, “o insulto” das autoridades australianas foi ainda mais longe com a assinatura de um acordo com a Indonésia para partilhar a riqueza do mar de Timor, enquanto”cerca de 200.000 timorenses morreram para proteger os seus direitos durante os 24 anos de guerra”.
Citando estudos de historiadores e investigadores, o primeiro-ministro timorense acusou os Estados-Unidos, Grã-Bretanha, Austrália e Nova Zelândia de terem estabelecido um acordo secreto visando a integração de Timor Leste na Indonésia, em 1963, ”como a melhor solução para a paz no mundo”.
”Vimos o resultado deste acordo, em 1975,”disse Xanana Gusmão, referindo-se à sangrenta invasão de Timor Leste pelas tropas e milícias indonésias.

Timor Leste continua “frágil e pobre”

Apesar do investimento estrangeiro que tem sido feito em Timor Leste, Xanana disse sentir-se triste com os resultados obtidos ”na construção do nosso estado”, sublinhando que o pais continua frágil e é “um dos mais pobres da região” apesar dos seus recursos naturais.
As autoridades de Camberra têm apoiado um projecto multi-bilionário de um consórcio australiano que vai explorar gás no mar de Timor, mas têm ignorado os múltiplos pedidos do governo timorense para que a unidade de transformação ficasse instalada no território. Segundo os responsáveis daquele projecto, as únicas opções admitidas por Camberra passam por uma plataforma marítima ou pela instalação de um pipeline para levar o gás até Darwin.
Seguindo as recomendações do Banco Mundial, Timor Leste tem nos Estados-Unidos 5,39 bilhões de dólares em poupanças realizadas com as suas reservas de petróleo e gás.
Xanana Gusmão, que pretende a saída de Timor Leste da lista dos países frágeis e pobres no prazo de 15 a 20 anos, defende agora que é necessário investir para construir infra-estruturas e promover o crescimento.

Submarinos: portugueses viram-se gregos com os subornos

02/04/2010

O "Arpão", baptizado em Junho de 2009, já deveria ter chegado a Portugal.

Os “nossos corruptos” são bem mais modestos que os seus homólogos gregos

O grupo MAN, através da sua subsidiaria Ferrostaal, utilizou um escritório de advogados em Zurique, na Suíça, e contas offshore para pagar subornos no negócio dos dois submarinos portugueses. É esta a conclusão avançada pelos procuradores alemães que afirmam num relatório que o consórcio criado para efectuar o negócio com o governo português “adoptou um esquema idêntico” àquele que foi utilizado com sucesso na venda de submarinos à marinha grega.
Segundo os documentos do ministério público alemão, na Grécia, MAN terá alegadamente pago subornos de 10 a 12 milhões de euros a funcionários e militares para garantir a entrega do primeiro de quatro submarinos. Foi no âmbito desta investigação que os investigadores encontraram outros pagamentos ilegais, desta vez a intervenientes relacionados com a construção e a venda dos submarinos destinados a Portugal. A existência de indícios e provas de pagamentos ilegais com destino a outros países leva os investigadores a pensar que “se trata de uma prática permanente” neste tipo de negócios.
Facto curioso, os “nossos corruptos” são bem mais modestos que os seus homólogos gregos já que os documentos alemães revelam que o montante do suborno pago aos intervenientes portugueses –1,6 milhões de euros por cabeça – é largamente inferior aos 10 a 12 milhões pagos individualmente no negocio com Atenas. Uma “brincadeira de criança” como ironizou um dos investigadores.
O contrato de fornecimento com a Grécia foi celebrado em 2000 por um montante de 1.26 bilhões de euros e prevê a entrega de quatro embarcações, entre elas o Papanikolis, um submarino da classe 214.
Dez anos mais tarde, vítima de inúmeros problemas técnicos, o Papanikolis ainda nem sequer chegou a Atenas mas ainda assim o governo grego promete aceitar a embarcação “para a colocar à venda”, como disse um porta-voz do ministério da defesa.